segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Visita do Sociólogo Francês Michel Maffesoli ao tradicional terreiro de Jurema e Nagô de Dona Dora

 
 Ritual do Borí. Foto Alexandre L'Omi L'Odò.  

Visita do Sociólogo Francês Michel Maffesoli ao tradicional terreiro de Jurema e Nagô de Dona Dora

Registro aqui, momento importante para a história do Terreiro de Dona Dora. Com prazer, decidi escrever algo para marcar esse evento de articulação internacional do povo de terreiro com a academia francesa.

Na noite do dia 03 de setembro de 2011, o Terreiro de Oyá Egunitá (Oficialmente chamado de “Mensageiros da Fé”), foi realizada uma cerimônia de Borí (ritual de dar comida à cabeça). De forma inesperada, recebemos a ilustre visita do sociólogo francês Michel Maffesoli (informações sobre ele abaixo do texto), da universidade de Sorbonne, no Terreiro de Dona Dora, no Jordão Baixo/PE. O Quilombo Cultural Malunguinho, por ter um histórico de luta pela preservação dos valores culturais das religiões de matrizes indígenas e africanas (Jurema e candomblé, etc.), foi acionado na pessoa do historiador João Monteiro pela Dra. em antropologia e consultora do Museu do Homem do Nordeste/PE, Ciema, para apresentar uma casa tradicional ao francês. Também contamos com a presença da Dra. Danile Pitta, professora representante do tema "imaginário" na UFPE, que veio acompanhando o Sr. Maffesoli, para ajudar na tradução do francês para o povo do terreiro. Ambos foram muito bem recebidos pela hospitalar Dona Dora, que com simplicidade regeu o ritual do Borí juntou ao sacerdote Sandro de Jucá.

Professor Maffesoli e Professora Daniele Pitta, próximos a porta do Peji do terreiro. Foto Alexandre L'Omi L'Odò.

A cerimônia foi muito bonita. Casa cheia, visitantes de diversas partes do Brasil (MG, SP, BA), todos de branco presenciaram um dos rituais mais bonitos e complexos do culto aos Orixás.
Recém chegado da França, para um congresso de antropologia, o professor Maffesoli, assistiu uma parte do ritual com muita atenção e olhar técnico de análise. Embora que cansado, pois mal havia chegado ao Brasil, foi logo visitar o terreiro e ficou até mais da metade do ritual, que durou cerca de 3h. Muito simpático, deixou a casa acompanhado da Dra. Pitta, despedindo-se sutilmente, para não atrapalhar os rituais. Todo vestido de branco, respeitando as normas da casa, o professor saiu inspirado do local, levando boas impressões do culto aos Orixás em terras pernambucanas.

Michel Maffesoli. Foto de Alexandre L'Omi L'Odò.

O aspecto do poder feminino ficou muito evidenciado em todos os momentos do ritual. Iyalorixás como Mãe Terezinha Bulhões de Iyemojá, Mãe Nenzinha do Acorda Povo, Mãe Silvia de Iyemojá, entre outras patentes antigas da casa, contribuíram de forma ativa em toda liturgia. Esta ação das Iyalorixás mostraram de forma clara o papel imprescindível do axé da mulher no culto nagô.

A casa de Malunguinho (cancela), também foi apresentada ao sociólogo. Também foi informado sobre os eventos que estão por acontecer em breve, como o VI Kipupa Malunguinho e a III Semana Estadual da Vivência e Prática da Cultura Afro Pernambucana - Lei 13.298/07. Ficou muito interessado em ir às matas, mas infelizmente seus compromissos o levaram de volta ao seu país muito cedo, não dando tempo para ele desfrutar outras experiências com a religiosidade negra/indígena de Pernambuco. Mas, ele voltará, esperamos. Pois o nosso "imaginário" é forte e tem força para ser discutido em nível amplo com a academia, junto ao povo de terreiro.

Um fato interessante foi quando duas pesquisadoras de outros Estados chegaram ao terreiro. Sem saber que o professor estaria lá, tiveram uma reação de surpresa. Pois jamais esperariam a presença de alguém tão importante naquela noite no terreiro. A mestranda Mariana (SP e MG), ficou muito impressionada. Tentou fazer tietagem, mas infelizmente não conseguiu tirar uma foto com um dos autores mais importantes das ciências humanas do século XX e XXI. 

Conversei um pouco com ele. Troquei algumas palavras em francês e lhe ofereci comida e água... Portanto, não aceitou, pois o dendê poderia lhe prejudicar, pela falta de costume de ingerir comida de terreiro.

 Da esquerda para a direita: Daniele Pitta, Michel Maffesoli, Pai Lula de Ogodô e Alexandre L'Omi L'Odò. (Desconsiderar data na foto). Foto de Sandro de Jucá.


Michel Maffesoli, João Monteiro e Daniele Pitta em frente ao terreiro. Foto de Alexandre L'Omi L'Odò.


Informações sobre o Professor:

Michel Maffesoli (Graissessac, 14 de novembro de 1944) é um sociólogo francês, considerado como um dos fundadores da sociologia do quotidiano e conhecido por suas análises sobre a pós-modernidade, o imaginário e , sobretudo, pela popularização do conceito de tribo urbana.


Antigo aluno de Gilbert Durand, é professor da Université de Paris-Descartes – Sorbonne. Michel Maffesoli construiu uma obra em torno da questão da ligação social comunitária e a prevalência do imaginário nas sociedades pós-modernas.


É secretário geral do Centre de recherche sur l'imaginaire e membro do comitê científico de revistas internacionais, como Social Movement Studies e Sociologia Internationalis.

Recebeu o Grand Prix des Sciences Humaines da Academia Francesa em 1992 por seu trabalho La transfiguration du politique.


É vice-presidente do Institut International de Sociologie (I.I.S.), fundado em 1893 por René Worms, e membro do Institut universitaire de France - I.U.F. (Fonte: Wikipedia).

Alexandre L'Omi L'Odò
Quilombo Cultural Malunguinho
alexandrelomilodo@gmail.com

Um comentário:

Sandro de Jucá - Sacerdote Babalorixá e Juremeiro disse...

Para mim foi uma honra receber no momento que nos preparavamos para ser oficiante no cerimônial de bory da ekedy da casa,O ory a ser invocado naquele momento foi de uma filha de yemonjá muito antiga na casa que eu já tive á honra de fazer outros bory e nesse momento se encontra doente mas com certeza desfrutará de boa saúde, pois o arun do caminho foi afastado,Sejam sempre bem vindos á essa casa de asè que foi fundada por seu João Folha e dona Dora .Eu tenho a felicidade de compartilhar esses momentos com meus irmãos do Quilombo Cultural Malunguinho, destacando sempre o respeito e a seriedade nesta casa de Jurema e de Candomblé,wewewyúu(sempre feliz em tudo Tupy guaraní) Adupé (obrigado) em yorubá, Adupé olorum tupã akewew .Isso é pau guiné !!

Vídeos Negros nossos!!

Loading...

Quilombo Cultural Malunguinho

Quilombo Cultural Malunguinho
Entidade cultural da resistência negra pernambucana, luta e educação através da religião negra e indígena e da cultura afro-brasileira!