quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Mestre Galo Preto no REC BEAT 2010

Rec-Beat divulga programação com nomes como Ojos de Brujo e confirma Madensuyu
Imagens: Carolina Santos/DP/D.A Press

O festival Rec-Beat chega a 2010 comemorando a data redonda de 15 anos. Nesse tempo, o festival saiu da Cidade Alta de Olinda para o Cais do Alfândega, aumentou seu público e ajudou a consolidar a marca de multicultural do carnaval recifense. Mas na essência permaneceu o mesmo: apresentar para o público boas bandas, ainda pouco conhecidas da cena local, nacional e de fora do país. Neste ano, o festival traz cinco atrações estrangeiras, a espanhola Ojos de Brujo, Cabezas de Cera, do México, a belga Madensuyu, Puerto Candelaria, que faz jazz na Colômbia, e ainda o bluesman Magic Slim, que também vai participar do Garanhuns Jazz Festival.

Do Brasil, o festival traz alguns artistas que estão no auge da produção e com discos que estiveram em várias listas de melhores do ano (no caso, 2009). A cearense Cidadão Instigado, por exemplo, vem com o elogiado álbum Uhuuu!.

Cidadão Instigado defende repertório do premiado álbum Uhuuu!. Foto: Alisson Louback/Divulgação

O baiano Lucas Santtana, que faz um rock eclético, viu no ano passado o seu Sem nostalgia ser elogiadopor jornais dos Estados Unidos. O rapper Renegado (de Minas Gerais) e a paulista, quase pernambucana, Stella Campos, também lançaram álbuns recentemente. Destoando um pouco dessa lista, está a diva Gabi Amarantos, que vai mostrar o legítimo tecnobrega do Pará. "A nossa ideia foi ficar um pouco fora do eixo Rio-São Paulo e trazer atrações que não estão no circuito comercial das grandes capitais", explicou o produtor do festival, Antônio Gutierrez, o Gutie.

A cena local está representada de forma bem diversificada. Há bandas novíssimas, como a Radistae, velhos conhecidos do público que nunca tinham tocado no Rec-Beat (Volver) e o resgate do mestre Galo Preto, repentista e coquista de Bom Conselho com mais de 60 anos de estrada.

Das 20 atrações que irão se apresentar no festival, duas ainda não estão confirmadas. "Estamos com um problema logístico de hotel, que nesta época do ano é complicadíssimo. Não há vagas nos hotéis com que normalmente trabalhamos e estamos tentando resolver isso até oeste fim de semana", comentou Antônio Gutierrez. Academia da Berlinda, com convidados, pode ser uma das opções. Outra, a cantora Céu - que se encaixa perfeitamente na categoria de artistas com álbuns elogiados, com o belo Vagarosa. "O problema de Céu é que ela vem com um grupo grande e estamos com esta dificuldade de hotel. Mas se ela não vier neste ano, vamos tentar no próximo", prometeu Gutie.

Para o mundo - Como aconteceu no ano passado, o Rec-Beat vai ter uma versão paulista, no Sesc, com o nome de Pompeia.beat. Durante três dias, entre 18 e 21 de fevereiro, seis bandas irão se apresentar no festival. De Pernambuco, vão Diversitronica, Joseph Tourton e Ska Maria Pastora. Em julho, o Rec-Beat rompe a fronteira e vai circular em festivais da Europa. "Já estamos confirmados na Bélgica. A ideia é levar 13 bandas, todas pernambucanas", acrescenta Gutie.

Mestre Galo Preto, coquista e repentista de Bom Conselho, é novidade na grade do carnaval do Recife. Foto: Helder Tavares/DP/D.A Press



Programação

Sábado (13)

20h - Radistae (PE)
21h - Zé Manuel (PE)
22h - Renegado (MG)
23h10 - Lucas Santtana (BA)
0h30 - Puerto Candelária (Colômbia)

Domingo (14)

16h - Bloco Quanta ladeira
20h - Joseph Tourton (PE)
21h - Volver (PE)
22h - Magic Slim (EUA)
23h10 - Ainda não divulgado
0h30 - Gabi Amarantos (PA)

Segunda-feira (15)

À tarde - RecBitinho - Circo Il Botiglia - Il Transporto humano

20h - Diversitrônica (PE)
21h - Stela Campos (SP)
22h - Madensuyu (Bélgica)
23h10 - Ainda não divulgado
0h30 - Ojos de Brujo (Espanha)

Terça-feira (16)

20h - Mestre Galo Preto (PE)
21h - Caldo de Piaba (AC)
22h - Cidadão Instigado (CE)
23h10 - Cabezas de Cera (México)
0h30 - Original Olinda Style

Matéria do Diário de Pernambuco, 27 de Janeiro de 2010. Link: http://www.diariodepernambuco.com.br/2010/01/27/viver15_0.asp


Alexandre L'Omi L'Odò.
Produção do Mestre Galo Preto.
alexandrelomilodo@gmail.com

"Se você tiver que escolher entre você e seu amor, você escolhe quem?"




Depois de ouvir a música "Eu menti pra você" da cantora, percussionista e compositora Karina Buhr, entendi que amar é como sempre ser sozinho e viver esperando migalhas de valores pessoais, onde nunca poderemos nos alimentar nem retroalimentar nada, ver nada, ir e vir sem um certo tom de satisfação.

Toda coragem impregnada nesta canção, coloca-me feliz para ver o seu show neste carnaval pernambucano, onde podemos encontrar todas as coisas do mundo aqui, até uma pernambucana que foi morar em SP para crescer sua música, que ficou mais transcendente que antes.

Lembro-me dela tocando um Jembê entre minhas pernas na escola Monsenhor Fabrício, na primeira oficina de percussão do bairro de Peixinhos, liderada por Toca Ogan da Nação Zumbi, nosso mestre também, nossa referência de uma percussão universal e de Peixinhos.

Moro aqui, onde nasceu o Mangue Beat, onde por milhares de vezes vi a poeira subir com o Samba Reggae e o Samba das Catraias de Peixinhos, onde pude conhecer João Meira e seu Cosme Damião cultural, onde toquei por 5 vezes, onde pude ver minha vida mudar após ouvir no poste da esquina da minha casa a música de Chico Science.

Karina é parte também desta história, lá atrás, lá no quase esquecimento, mas ainda lá...

Se eu tivesse que escolher entre eu e meu amor, optaria pelo meu amor, pois esta é a única forma de nos amarmos também, o bem que vem e volta no beijo, no toque, no tempo, na vida.
Mentir é lógica, sofrer por bobagens é auto flagelação, não devemos ser egoístas sórdidos conosco, podemos mentir, amar e mentir, mentir e se apaixonar, mergulhar no Gêmeo Sofista que há em cada um de nós.

Parabéns Karina, você mostrou o outro lado da virtude do amor, o lado que temos e negamos pra ficar mais bonito pro povo ver. Segai os olhos do outro, deixemos entrar o agora, e na hora certa dizer: "Eu menti pra você"!!!!!!!


Alexandre L'Omi L'Odò.
alexandrelomilodo@gmail.com

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Dia Nacional de Combate a Intolerância Religiosa no Recife


Pernambuco realiza ação de combate a intolerância religiosa.


Alexandre Dias, AFRO Educação de São Lourenço da Mata.


No dia 21 de Janeiro (quinta feira), o Fórum Estadual de Educação para as Relações Étnicosraciais de Pernambuco, formado parietalmente pelo poder público e a sociedade civil organizada, realizou a primeira caminhada pelas ruas do Recife pelo fim da intolerância religiosa, seguindo a proposta da lei federal 11.635 de 27 de Dezembro de 2007 que institui o dia 21 de Janeiro como Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, ficando a data incluída no calendário Cívico da União para fins de comemoração oficial.


Com saída da Praça Maciel Pinheiro às 17h, seguiu com faixas e caro de som pela rua da Imperatriz, passando pela Ponte de Ferro, Rua Nova e AV. Dantas Barreto, com término no largo do Carmo do Recife. Várias representações das religiões se fizeram presentes, destacando-se o povo da Jurema Sagrada, que representado por Alexandre L'Omi L'Odò naquele momento, teve como forte marca os elementos religiosos, o cachimbo e o maracá, elementos litúrgicos e símbolos da resistência desse povo, além da fala política proferida pelo sacerdote que discursou sobre a importância do respeito entre os seres e sobre tudo a importância de voltarmos as nossas matrizes divinas ancestrais, podendo assim entender os elementos e símbolos da religião, que é uma das que mais sofre o racismo e a intolerância religiosa, por ser uma religiosidade de resistência do povo indígena e negro do nordeste.


Carlos Tomáz- AFRO LGBT PE. Segurando o cartaz amarelo.


Pontando ainda com a presença do MNU, do Movimento AFRO LGBT, do Quilombo Cultural Malunguinho e outras representações como a CUT, a Afro Educação de São Lourenço da Mata e o Mestre Professor Teólogo afro Jairo de Jesus, as falas políticas tiveram grande ênfase nos discursos que focaram a crítica ao racismo e a formação de uma forte expressão política de exclusão e intolerância religiosa fomentada e alimentada por alguns segmentos "cristãos" neopentencostais.


A experiência desta primeira caminhada deu um susto ao centro do Recife, que despreparado ainda para esta discussão, recebeu com um pouco de receio o protesto, e muitos chegaram em alguns momentos a sequer aceitar os panfletos distribuídos com o texto oficial da caminhada.



Sendo o centro de nossa cidade um pólo de comércios "ilegais", não seria diferente de outras metrópoles do Brasil, que existisse os carrinhos de som, ou bicicletas com auto-falantes, que ajudam a proliferar os CDs evangélicos que a todo tempo enchem nossos ouvidos de intolerância, racismo e preconceito, satanizando as religiões de matrizes africanas e indígenas e disseminando um conceito filosófico baseado na "verdade e salvação". Estas práticas contribuem para o avanço da Intolerância Religiosa, que hoje é uma realidade forte em nossa sociedade, pois estamos imersos o tempo todo, em uma situação de bombardeamento sonoro, com pastores e pastoras dizendo irrealidades sobre o candomblé, sobre a umbanda, sobre a Jurema Sagrada.


Alexandre L'Omi L'Odò, segurando a faixa.


Ao chegarmos no Pátio do Carmo, encontramos uma Kombi vendendo um destes produtos, e foi engraçado que eles pararam de vender na hora para ouvir as falações. Acredito eu, que pelo menos um pouco de consciência foi construída na cabeça daqueles vendedores evangélicos que assistiram tudo em silencio e contemplação.



Com o cântico da Jurema:


"Oh Juremeiro, oh Juremá

A Folha caiu serena, oh Jurema

Dentro deste Gongá"


O sacerdote L'Omi, selou as apresentações religiosas.


Alexandre L'Omi L'Odò, cantando pra Jurema Sagrada.


Segue o texto oficial do Fórum:


Caminhada pelo Dia Nacional de Combate a Intolerância Religiosa


Em vinte e sete (27) de Dezembro de 2007, foi instituída a Lei n° 11.635, que estabelece o dia vinte e um (21) de Janeiro como o Dia Nacional de Combate a Intolerância Religiosa. Essa Lei vem retificar o pensamento de que um Estado laico não implica sujeitos com práticas laicas.

Embora compreendamos e defendamos a laicidade, não podemos entender um Estado democrático com a existência de quaisquer tipo de discriminação frente aos povos e suas prtáicas religiosas.

Pensar uma desconstrução de preconceitos no que se refere às religiões, bem como a pluralidade que as compõe, requer uma formação educacional que contemple o respeito às religiões.

Nessa perspectiva afirmativa de educação, o Fórum Estadual de educação para as Relações Étnicoraciais convida a população pernambucana para uma Caminhada pelo Dia de Combate à Intolerância Religiosa, a fim de apoiar o enfrentamento a esse tipo de discriminação e estimular a valorização da diversidade através do respeito à convivência pacífica entre as diversas religiões.

No Largo da Igreja do Carmo do Recife.

"É graça divina começar bem.
Graça maior é persistir na caminhada certa.
Mas graças das graças é no desistir nunca."
Dom Hélder Câmara.

Alexandre L'Omi L'Odò.
Quilombo Cultural Maluguinho.
alexandrelomilodo@gmail.com

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Mestre Galo Preto, contação de histórias, um talento seu.



O Mestre Galo Preto, um dos mais importantes mestres da tradição do coco no Brasil, músico, compositor, percussionista, mestre de contação de histórias, doutor na embolada e Kimbanda de Malunguinho (Mestre Griô, MINC 2009), do Quilombo Cultural Malunguinho, além de ser o último representante vivo da trdição do coco do quilombo onde nasceu, Santa Izabel, em Bom Conselho-PE, neste vídeo vem contando histórias de suas proezas poéticas do passado.

As imagens, registradas por Alexandre L'Omi L'Odò, foram feitas em um quarto de hotel, em Fortaleza, na ocasião da Feira da Música do Ceará 2009.

É lindo ele contando suas próprias histórias, mostra muito amor por sua cultura e sua luta na vida como artista negro e detentor de uma cultura que na análise dele "está se acabando, e perdendo suas raízes verdadeiras".

Ele fala em especial sobre um repente que fez para o possível Sr. "Ernandes Gauveia", autoridade política da época.

Descrevo aqui o poema:

"Me sinto regozijado em participar da ceia
Que fizeram em homenágem ao Dr. Ernandes Gauveia
Agora, me fizeram tanto bicho
Falaram tanto do moço
Que o homem é tão pequeno
Que carrego ele no bolso".
(Mestre Galo Preto, na década de 1970.)

Imperdível este conto!!!

Alexandre L'Omi L'Odò.
Produção Geral do Mestre Galo Preto.
www.myspace.com/mestregalopreto
81 8887-1496

Vídeos Negros nossos!!

Loading...

Quilombo Cultural Malunguinho

Quilombo Cultural Malunguinho
Entidade cultural da resistência negra pernambucana, luta e educação através da religião negra e indígena e da cultura afro-brasileira!