domingo, 15 de fevereiro de 2009

Guia de sobrevivência do turista no Carnaval Pernambucano

Como sobreviver ao carnaval de Pernambuco. Publicado em 13/02/2009 pelo(a) wiki repórter Didymo Borges, Recife-PE

Este guia de sobrevivência do turista no Carnaval de Pernambuco foi elaborado por Sidney Falcão. É um texto bem humorado e verdadeiro.

Guia de sobrevivência do turista no Carnaval de Pernambuco
...............................................................................

1. Ao encontrar algum bloco que tem boneco gigante, preste atenção nas mãos do boneco, pro mode não levar uma mãozada no quengo. Embora o efeito do álcool se vá logo após a chapuletada, não é, obviamente, uma sensação agradável.


2. Se você escutar alguém gritando "Madeeeeeeeeeeeeeeeeiiiiiraaaaaaaaa", não se assuste, pois ninguém vai ficar derrubando árvore em pleno Carnaval. É apenas algum bloco ou banda cantando o hino do bloco Madeira do Rosarinho, que você vai escutar umas 14.889 vezes por dia. Até a Quarta-Feira de Cinzas você saberá a letra decor.


3. Não se incomode se, ao seguir um bloco, a bandinha tocar sempre as mesmas músicas. Também não se incomode se, ao seguir próximo bloco que passar, a banda deste tocar as mesmas músicas que o bloco anterior tocou. O Carnaval de Pernambuco é assim mesmo, é tradição. É a época do ano que os pernambucanos se reúnem pra ouvir as mesmas dez músicas de sempre.


4. Nem pergunte qual é o frevo novo que é a sensação deste ano. Faz tempo que isso não existe em Pernambuco. E nem invente de perguntar qual é a dança da moda. Você corre o risco de apanhar, pois isso é coisa de baiano.


5. Nunca entre em discussão com algum pernambucano sobre qual é o melhor Carnaval entre o baiano, o pernambucano e o carioca. Vocês nunca vão chegar a conclusão alguma.


6. Nunca pergunte pra onde um bloco está indo. Siga-o apenas. Nunca se sabe onde um bloco vai parar, e nem onde começa.


7. Em Olinda, não se desespere se você passar horas e horas sem ver passaralgum bloco de Carnaval. O bom do Carnaval olindense é a espera.


8. Não leve carteira, relógio, telefone celular e outros pertences para o meio da folia. O Bloco do Arrastão desfila todos os dias e a qualquer hora.


9. Se você for homem, não fique constragido em mijar no meio da rua quando der vontade. Se assim não o fizer, vai acabar mijando nas caçolas se tentar achar um banheiro. Se você for mulher, trate logo de achar um banheiro público e entrar na fila duas horas antes de chegar a vontade de falar com o homem do bocão.


10/11. No Carnaval de Olinda, se você for uma mulher bonita e gostosa, correrá o risco de, sem o seu consentimento, ser agarrada, beijada, apalpada e outras coisas terminadas em "ada". Nem vá de shortinho curto e de tecido leve. Vai voltar com a arruela "assadinha". Use a velha bermuda jeans. Se você for homem e tiver uma namorada gatinha, nem passe perto da cidade alta. Mas, se você for uma mulher feia, é hora de aproveitar e tirar o atraso acumulado. Pois em Olinda vale o velho ditado: "não existe mulher feia; você é que bebeu pouco". Vai que é tua, baranga!


12. Não saia cedinho de casa pra ver o desfile do Galo de Madrugada. Este bloco não desfila e nem nunca desfilou de madrugada. Ao final do desfile, procure um bom dermatologista... depois de se recuperar.


13. Em Olinda, depois de tomar todas, nunca tente subir a Ladeira da Sé à pé. Álcool só é combustível pra automóvel.


14. Se você for para a folia de carro, prepare-se para pagar antecipadamente 10 reais ao flanelinha para deixar o carro na rua - se conseguir achar algum lugar. Além disso, prepare pra enfrentar engarrafamentos homéricos.


15. Se você for alérgico a mofo, passe longe dos "blocos-de-saudade-de-velhos-carnavais".


16. No meio desses "blocos-de-saudade-de-velhos-carnavais", finja que sabe quem é Felinto, Pedro Salgado, Pierre, Fenelon e o velho Edgar Moraes. Assim, você se enturmará mais rápido com o pessoal. Se, por curiosidade, você perguntar quem são esses caras, provavelmente vai receber como resposta um constrangido "não sei".


17. Não há problema algum em não saber dançar frevo. 99% dos pernambucanos não sabem fazer o passo. Nem tente! Você poderá acabar seu Carnaval num ortopedista.


18. Quando você não estiver escutando porra nenhuma, tenha certeza que é o "blocos-de-saudade-de-velhos-carnavais", passando na sua frente.


19. Caso o bloco que vocês está seguindo, passe na frente de alguma emissora de TV transmitindo em rede nacional, ao vivo, prepare-se para escutar pela enésima vez o hino do Vassourinhas e levar um monte de caneladas.Pule feito um louco até a música acabar. E não se esqueça de "abrir" os cotovelos...

Sem dúvidas este é um grande guia!! rsrssrs
Parabens ao Sidney Falcão
O texto está primoroso e verdadeiramente contextualizado por um verdadeiro pernambucano.
Alexandre L'Omi L'Odò.

Nenhum comentário:

Vídeos Negros nossos!!

Loading...

Quilombo Cultural Malunguinho

Quilombo Cultural Malunguinho
Entidade cultural da resistência negra pernambucana, luta e educação através da religião negra e indígena e da cultura afro-brasileira!